PT / EN
 
21.10 > 11.11.2017
Marianne Mueller — Facing West
Curador: Sergio Mah




Tudo começa pela frequentação do quotidiano, os momentos, as coisas, os ambientes e os corpos que nos afectam, que atiçam a nossa experiência diária. Entre a fotografia e a escultura, entre o vídeo e a instalação, no trabalho de Marianne Mueller esta inclinação pelo quotidiano representa também uma tentativa por redescobrir as raízes de uma prática artística baseada na espontaneidade e na intersubjectividade, que valoriza o contingente e o efémero como motivos de uma indagação recontextualizadora do real. O seu trabalho mais conhecido diz respeito a fotografias com uma forte componente diarística, momentos da experiência privada e íntima, visões fragmentárias do corpo enquanto matéria carnal, psíquica e sensual. Em paralelo, ao longo da sua trajectória Marianne Mueller tem também evidenciado um significativo interesse pelas temáticas da arquitectura e do espaço comum, através de uma observação sensível sobre as qualidades físicas, estéticas e simbólicas associadas a certos lugares, a detalhes arquitectónicos, situações e objectos prosaicos, encarados como sinais – factuais e irónicos – de uma paradoxal cenografia do urbano. Facing West foi concebido especificamente para o espaço expositivo da Appleton Square. A peça central, Curtain Two (extended), consiste numa cortina com mais de 30 metros de comprimento disposta paralelamente às quatro paredes da sala do piso térreo. O tecido da cortina foi preparado com pigmentos fotocromáticos reversíveis, isto é, que sofre mutações (na densidade e na cor) quando atingido pela luz solar que entra na sala por uma linha alta de janelas viradas a Oeste. Além disso, através de um mecanismo pré-programado a cortina move-se, entre a revelação e a ocultação dos limites da sala, que implica também uma variação entre esticar e ondular. No piso inferior, é apresentado num monitor Horizon_Video Sunrise 1 (Cetara), com uma peça sonora composta por Tobias Preisig, e duas esculturas, L. LLoret (cama branca) e Collarium (Mini). São peças cuja articulação nos remete para questões recorrentes no trabalho de Marianne Mueller: a experiência da luz e a sua relação (ontológica) com a imagem, a atenção às matérias do quotidiano, as contingências do espaço e da arquitectura e, correlativamente, a possibilidade de jogar com os limites, entre dentro e fora, entre o privado e o público.

Sérgio Mah, 2017



créditos © photodocumenta



   
sobre   apoios   edições   imprensa   contactos   2007-2018
Mecenas: HCI / Colecção Maria e Armando Cabral