PT / EN
 
30.11 > 21.12.2017
Bruno Cidra & Gonçalo Barreiros — Sleeping Village



Sujar as mãos

Há coisas que não se aprendem nos livros. Fazer andar é a expressão usada por trabalhadores da construção para descrever o acto de deslocar volumes pesados através de lugares improváveis ou aparentemente inacessíveis, usando apenas métodos empíricos. Fazer andar foi o título da última exposição que juntou Bruno Cidra e Gonçalo Barreiros. Sleeping Village é a sua segunda exposição, onde retomam a ideia de um regresso a princípios fundamentais da escultura, numa prática assente na experiência directa de transformação de um material. O título da exposição remete para a imagem de uma superfície silenciosa e de um rumor que se agita por debaixo. Frequentemente numa exposição, este rumor pode ser formado pelo conjunto de conceitos e referências que jazem ocultos nos objectos. Aí, a função de uma folha de sala é desenterrá-los. Dizer ao espectador que uma coisa não é apenas uma coisa, mas também todo um panteão de fantasmas que ela invoca. Além da oportunidade de ler palavras bonitas acabadas em "ismo" ou "cidade", fico com a sensação de que, muitas vezes, a folha de sala serve para me apresentar as razões pelas quais eu me devo convencer que ficar a olhar para o saca-rolhas é bem melhor que beber um copo de vinho. Não ignoro que todas as coisas carregam uma história. Há, no entanto, um saber - e um prazer - que descende directamente da manipulação de um material e que as palavras não substituem ou sequer traduzem (as palavras terão a sua própria genealogia). Ultimamente prefiro as coisas que dispensam o catálogo de referências para se virem fundar noutro tipo de rumor, mais elementar e sem nome. Ainda que aparentemente despojado e silencioso, este encontro de Bruno Cidra e Gonçalo Barreiros aponta a esse murmúrio, a ressonância latente e indizível que parece emanar de certos objectos, e que é deflagrada pela acção transformadora da manualidade. O barro, material antigo e que aponta a um tempo e experiência primordiais, é utilizado para reproduzir manualmente vários objectos de perfil industrial. Pleias, colunas e cantoneiras pertencem àquela estirpe de objectos aparentemente já acabados no momento da sua invenção, dado que respondem tão directa e perfeitamente à necessidade que vieram cumprir. Poder-se-ia argumentar que há qualquer coisa de simulacro, trompe-l'oeil ou farejar até laivos de ready-made na atitude de reproduzir fielmente objectos já existentes. A verdade é bem mais simples. Pleias, colunas, cantoneiras e sulipas obedecem (e daí a sua eficácia) a princípios elementares de equilíbrio, peso e gravidade. Ou seja, corre já em si um rumor de escultura, que aguardava apenas a acção criadora para despertar e se vir manifestar à superfície. Tactear uma exposição usando palavras é muito bonito, mas há coisas que só se sabe mesmo sujando as mãos.

Jorge André Catarino, 2017



créditos © bruno lopes



   
sobre   apoios   edições   imprensa   contactos   2007-2018
Mecenas: HCI / Colecção Maria e Armando Cabral